segunda-feira, dezembro 19, 2005

Histórias da minha aldeia III - O meu primeiro dia de aulas

Corria o ano 6 d.C*, e o petiz 'A' tinha que, pela primeira vez, ingressar pela vida académica. Mas uma vida de estudo e sabedoria, nunca foi algo que o aliciasse, tendo sempre preferido uma vida boémia e despreocupada, este foi um passo difícil de tomar por uma ainda jovem vida.
Aqui estão os relatos em primeira-mão de um dos momentos mais conturbados da existência de 'A', nos quais foram tomadas decisões dificeis e constatadas duras realidades, que o marcariam para o resto da vida.



Segundo a minha mãe, nesse dia acordei normal e mantive-me normal até a altura de ir efectivamente para a escola. Eu não me lembro de como estava nessa altura, mas conhecendo-me, devo ter passado esse tempo de “calmaria” a pensar frenéticamente em maneiras de me conseguir esquivar a ir para a escola. Mas como nunca fui muito inteligente, não arranjei nenhuma solução. A melhor coisa que me ocorreu quando confrontado com o meu pai a chamar-me para me levar para a escola, foi fugir, chorar e berrar “Eu não quero ir para a escola!! Eu não sei fazer deveres!!” porta fora e por de alvoroço toda a vizinhança, que veio ver o que estavam a fazer à pobre criança.
Infelizmente tinha pernas curtas, e fui facilmente apanhado pelos meus pais que me meteram na carrinha e me levaram contra vontade para a escola.
Nessa altura achei que, realmente, os meus pais não gostavam muito de mim.

O primeiro dia do meu irmão foi muito mais calmo, até houve tempo para tirar fotos a uma criança alegre e ansiosa pelo seu primeiro dia de aulas, a despedir-se da sua mãe, rumo a uma vida alegre de estudo. (nesta altura devia estar para nascer ou já tinha nascido, mas não me lembro... que estranho).

Quando cheguei à escola vi alguns dos meus amigos, no arco da entrada, com um, ou ambos os pais. O meu pai, parou em frente e mandou-me sair e ir ter com eles, deu meia volta e voltou para casa. Fui ter com eles, tímido como sempre, e mais não me lembro.

Foi assim o meu primeiro dia de aulas, durante os restantes anos fui lembrado que o meu irmão, tinha sido o melhor aluno da sua turma, no tempo que lá andou e que eu... nem por isso.

'A' realmente não sabia fazer deveres, sempre os fez antes de ir para a cama, porque quando interrogado ao jantar, sobre a completude de tal trabalho, ele todas as vezes respondia “Não fiz, esqueci-me”. Então fazia-o sobre o olhar de seus pais e ameaças de que para a próxima o poriam a dormir na loja (sitio com o qual teria pesadelos durante toda a sua infância e ainda hoje, eles voltam para lhe fazer uma visita de vez em quando)


* d.C – depois de C
(sendo que C, é o meu ultimo nome :p)

15 comentários:

A disse...

isto ficou consideravelmente menos engraçado do que o que tinha imaginado inicialmente

d disse...

d.C - Chrystian, I supose :P

Josue disse...

Pensa assim, se não tivesses sofrido tal tormenta nunca te terias tornado na criatura vil, desprezivel, asquerosa e divertidamente irritante que és hoje... talvez até fizesses coisas de gente "normal" em vez de escreveres neste blog! :D

Isa disse...

Eu nao me lembro mesmo do meu 1º dia de aulas... mas sei que foi em Setembro de 1992 e que levava dois puxinhos na cabeça (qual Emma Bunton versão petite, redonda e morena. Em piquena sempre adorei fazer novos amigos. Mas na escola fui recebida com calososos empurrões contra os cabides de pendurar os casacos...
E eu ainda sou do tempo das carteiras individuais, das canas e das reguadas!!

d disse...

1992?????

Andam aqui crianças

Josue disse...

Não d, nós é que estamos velhos! Desde 92 até agora passaram 13 aninhos, o que quer dizer que a Jasmine ja anda na universidade...

A disse...

eu ainda sou do tempo que ia a pé para a escola, e vinha a pé pelo meio dos campos e sujava-me todo e levava porrada quando chegava a casa.andava a porrada na escola e depois levava réguadas por andar a porrada. sou do tempo do livro o beija flor, e das carteiras de madeira escura com um buraco para o tinteiro e mata-borrão, apesar de nunca ter tido de usar isso

... acabei por me esquecer de por uma foto da minha escola no post, acho que ainda vou a tempo :p

Isa disse...

meus amigos, eu ainda estudei pelo MÁGNIFICO BEIJA FLOR... como me posso esquecer daquelo livro amarelo.... lol... Monsenhor jusué margalhães, meu pai: para ti serei sempre uma criança......
mesmo que seja uma criança grande lol

A disse...

o beija flor é intemporal :)

lembrei-me agora que no 9º ano, voltei a ser obrigado a escrever nos cadernos de duas linhas, por a minha letra ser horrivel e incompreensivel, o que não me serviu de nada, porque o meu problema tá na maneira como seguro o lápis, que por incrivel que pareça é diferente de toda a gente que eu conheço e já muitas vezes ouvi comentários do tipo "meu! como é que tu seguras a caneta? que esquisito."

...não sou esquisito, sou especial :D (pena é dar para uma caligrafia horrorosa)

Isa disse...

toda a gente segura na caneta de maneiras diferentes.... é uma questão de...... jeito... lol

A disse...

mas não recebem o espanto que a minha maneira recebe

Adriana disse...

e pelo que dizes, nem o resultado...

o-karamelo disse...

Não há coisa que as pessoas mais gostem do que contar histórias de juventude, e ouvi-las! E por pessoas, refiro-me única e exclusivamente a mim próprio.

Isa disse...

a mim próprio, ou á minha pessoa eu mesmo????

Josue disse...

Sim o "A" é a unica pessoa que conheço que escreve com o cú da caneta! LOL